domingo, 17 de outubro de 2010

A melodia das diferenças

Eu sempre soube que a minha verdade não é, necessariamente, a verdade absoluta sobre os fatos. Não é porque eu acho os franceses azedos, que eles realmente o são. Eu vejo assim, mas é so o meu jeito de ver as coisas. Os 30 anos de vida que carrego nas costas, as pessoas que ja conheci, os lugares em que vivi, as comidas que experimentei me fazem pensar assim. A minha bagagem é unica, assim como é a sua também. Por isso, temos olhares diferentes sobre as coisas. As vezes concordamos, mas claro (e ainda bem!) que nem sempre.

Tudo isso ficou ainda mais evidente nas ultimas semanas, quando a minha turma do curso de francês começou a se relacionar mais intensamente. Entre os longos almoços na cafeteria, as tardes na beira do rio e as varias festinhas que ja fizemos, pude conhecer melhor as bobagens que passam pela cabeça de cada um. Claro que as minhas ideias são bem diferentes das do Sultão, o cara que vem da Arabia Saudita. Julia, uma inglesa de 23 anos, também não tem la muitas afinidades com a egipcia, de 32. Assim como não têm a chinesa e o argentino, ja que ela não entende muito bem os ideais guevaristas defendidos por ele.

A japonesa também acha que na França os vendedores são grossos, porque la no Japão o cliente tem sempre razão e é super paparicado quando entra em uma loja. Ja a sueca discorda, acha os franceses super educados e atenciosos. Segundo ela, o frio da Suécia contribui para que as pessoas sejam muito distantes umas das outras. A chinesa acha muito fofo que os franceses falem sempre 'obrigado' e 'por favor', enquanto a chilena acha isso meio hipocrita.

O arabe adora a comida daqui! Conta que no pais dele o clima é tão quente, que não da nem para ter criações de animais ou plantações de frutas e verduras, por isso a comida de la é bem simples. Quando conto como é no Brasil, ele fica de olhos arregalados, me fazendo perceber o quanto somos desatenciosos com as riquezas naturais do nosso pais. Depois desse papo, ele decidiu organizar na casa dele uma festinha culinaria e cada um levou um prato tipico do seu pais.












Eu tenho uma certa adoração por esse cara, o Sultão, porque ele vai contra o esteriotipo ruim que os franceses nos influenciam a ter em relação aos arabes. Cada almoço é um interrogatorio, quase não deixo o pobre do rapaz engolir em paz. São mundos tão diferentes, que me encanta mesmo. Achei engraçadissimo ele contar que quando chegou na França, se assustou com as pessoas loiras e branquinhas. Ele sabia que elas existiam, mas nunca tinha visto uma assim, de perto. Então ele ficava encarando, um pouco com medo, um pouco curioso, até as pessoas se incomodarem. Ele também não se acostuma de jeito nenhum a fazer xixi em pé como os homens daqui, ja que por causa da sua religião os homens do seu pais fazem xixi sentados.

Tantas diferenças fazem com que as conversas da turma sejam ainda mais bacanas. De repente, o mundo que eu observava de longe pipocou para fora da televisão e bateu à minha porta - ou talvez, eu tenha batido na porta do mundo, teimando em fazer parte dele mais intensamente. Até então, o meu mundo, que se resumia basicamente ao Brasil e à França, cresceu, me fazendo crescer na mesma velocidade e descobrir que a banda toca sinfonias bem diferentes em cada canto do planeta. Longe de mim querer eleger a mais bonita, estou apenas descobrindo que é essa a dança que faz o mundo girar.

30 comentários:

Iara Fonseca Schmidt disse...

Fiquei emocionada com seu texto ... gostei das analogias feitas à música e à dança ... estou meio nostálgica esses últimos dias ... mas que vc escreve bonito escreve ;)

Anônimo disse...

"...porque ele vai contra o esteriotipo ruim que os franceses nos influenciam a ter em relação aos arabes"

Agora fiquei curiosa: de que maneira os franceses fazem isso?

(P. Nobrega)

Isabela disse...

Adorei seu texto.
Gostaria muito de ter alguns encontros assim, mas acho que só é possível quando estamos fora mesmo.
Muito interessante essa troca de experiências, de culturas...

beijão

Mirelle Siqueira disse...

Iara querida, seus posts tb me emocionam sabia? Me ajudam a ver a vida pelo lado mais leve, dos sons e dos movimentos!

P.Nobrega, se você mora na França(e eu acho que mora, pq fica td registrado no radar do blog), você sabe bem do que eu estou falando.

Pois é Isabela, eu estava louca para que encontros assim acontecessem logo. No semestre passado so tinham chineses na minha sala e a gente nao falava muito bem, entao nao eramos tao entrosados. O bacana de estudar em um curso de linguas e nao entrar direto na faculdade, é poder ter contato com outras nacionalidades tb e não so com os franceses. Afinal, o mundo vai muito alem desse pais lindo(embora a maioria dos franceses não saiba disso, rs)!

Beijocas

Felipe disse...

Legal seu texto!
é mais ou menos o que eu penso quando vejo meus companheiros de trabalho trazendo quilos quilos de feijão pra comer TODO DIA na França (!) ou ouvindo musica brasileira (de gosto duvidoso..) toda hora no carro..
Tem hora pra tudo, mas a diversidade apura nossos sentidos e nos faz crescer e APRENDER!
Parabens ;)

Lu disse...

esqceu de contar o q vce fez p eles d gostoso da nossa terra !!!!!!

eu tbem acho q os franceses nao fazem nda p influenciar a relacao com os arabes .
+ tem q saber q existe siiiim um problema grande entre a frança e a *algeria* . isso ninguem pode negar . é fato !!!! todo mundo v o q rola na frança . ja as pessoas q sao da arabia saudita nao tem nada a v com o tal esteriotipo dos algerianos(mtoo pelo contrario ,eles sao educados ,simples ,e riiicos em petroleo -um detalhe- .
o sultao pode se passar por um magrebino por causa do tom d pele . aposto eu q ele neeeeeeem se vste como os vrdadeiros magrebinos(algerianos diria eu) ,é ou nao é ???
faca um interrogatorio sob as leis no pais dle . me arrepio so de imaginar .

Rapha Aretakis disse...

Mirelle, seu texto só me fez lembrar dos meses mais divertidos da minha vida. Nos 3 meses em Stuttgart tive a oportunidade de estudar a sisuda língua alemã e, para minha surpresa, minha professora do básico só falava alemão e um tiquinho de nada de francês. Eu tava lascada, pois aprendi muita coisa por osmose, ou talvez por ter estudado inglês, espanhol e francês... ou seja, o curso das aulas eu já sabia de cor. Mas o que realmente me motivava a frequentar a escola era a minha linda turma: 3 romenos, 1 russo, 2 indianos, 2 turcas, 1 nepalês e a brasileira aqui. Ninguém se entendia, mas todo mundo se divertia e a linguagem de um sorriso aberto fala mais que muita coisa! Aproveita tudo que você puder, pois é super enriquecedor. Me vem lágrimas aos olhos de lemrar a carinha de cada um que ficou por lá. Ê saudade! Beijos :*

carlos henrique disse...

conheci uma menina da Finlandia aqui em Lyon, e ela ficava brava quando o povo falava que os nordigos sao muito frios, e é dificil de fazer amizade... ela fala, que na terra dela nao era assim, que o povo era muito acolhedor... e sempre completava : vc ja foi na finlandia ? nao ? entao nao fala que a gente é frio hehehe era engraçado

Raquel disse...

Passei aqui por indicação de uma amiga. Adorei seu blog. Parabéns.

Mirelle Siqueira disse...

Pois é Caique, um dos meus melhores amigos mora na Irlanda, onde faz frio pra burro tb, e ele acha o pessoal de la super simpatico! Mas a sueca diz que na terra dela não é bem assim não. Não deve ser mesmo, so vindo de um lugar onde as pessoas são beeeeem frias para achar francês simpatico né?

Leonardo disse...

Amor,

Tem que aproveitar bem esta fase do curso de francês pois depois que ela passar, a quantidade de estrangeiros juntos sera sempre menor que a de franceses. Vc teve muita sorte de cair numa turma tão diversificada e tão animada. Isso faz essa troca cultural ser mais interessante ainda. Quando eu fiz curso de francês, apesar do pessoal ser muito gente boa, a maioria era de brasileiros e isso limitou um pouco a troca cultural.

Bjos

Liana disse...

e viva as diferenças!
ótimo post!

Ana Flávia disse...

Tb quero saber o prato que vc levou! Me deu uma certa curiosidade..rs.
Adorei o post! Muito bom essa diversidade cultural que faz com a gente cresça a cada dia. Que graça teria se cada um pensasse da mesma forma, né?!
Um beijão com saudades...

Juliana Yonezawa disse...

Hummm acho que vc levou brigadeiro!! Acertei??? E tao facil agradar a todos com chocolate heheh

Mi, aproveita mesmo essa sua turma. O fato de vcs serem todos de paises diferentes vai forcar todo mundo a falar so em frances mesmo.

Nao ha papo melhor com gringo do que: Conta p mim, como e que e la?? Melhor remedio para acabar com os esteriotipos!!

Beijao, Ju

Leonardo Blanco dos Santos disse...

Oi Mirelle,
Que engraçado, também postei um texto sobre diferenças hoje.
:-D
Quantas pessoas estariam no mundo hoje pensando sobre as diferenças das pessoas?
Bjs,
Leo

Juliana Beaup disse...

Que delicia de post Mirelle.....é justamente isso que curto por aqui, essa diversificaçao de culturas e a oportunidade de alem de conhecer, quebrarmos pre conceitos! Bjao e boa semana!

Mirlene disse...

Filha,

Que bom ver minha filhota interagindo com tantas pessoas diferentes e aumentando seu repertório cultural. Parabéns pelo post! Será que você levou feijoada para festa? Acho que levou limonada.
Beijo. Te amo.

Lívia Fabi disse...

Mirelli
Tô aqui tentando comentar alguma coisa, mas não consigo... rs
É difícil escrever alguma coisa, qualquer coisa, diante de um texto tão bacana!

Só posso dizer obrigada por dividir com a gente essa sua sinfonia!

Bjos

Mirelle Siqueira disse...

Poxa, tentei de todas as maneiras fugir da pergunta sobre o que eu levei, mas não tem jeito, a mulherada é mesmo curiosa ne?

Gente, fiz feio. Não tive tempo de fritar coxinha, de enrolar brigadeiro nem mesmo de bater um suco de limão tropical para levar, então passei na padaria e comprei uma torta tipicamente FRANCESA! hahahahahahaha, levei na maior cara de pau!

ai que vergonha!
:(

Brenda Tavares disse...

Adoro esta miscelania!
Nos faz lembrar de que nao somos unicos, de que somos diversos, do quao grande é o mundo, da quantidade de coisas que podemos aprender, enfim...

K∂riиє* Smith. disse...

Me sinto tambem uma privilegiada por viver nessa torre de babel.
Sou tao curiosa quanto vc,<juntas, acho que dariamos otimas detetives da cultura alheia...hahaha

beijooooo

Camila disse...

Post maravilhoso, Mirelle!

Dani Neri disse...

Mi, qual prato vc levou a esse jantar? rs
eu adorei esse seu post!
Realmente nós sempre sabemos na teoria q os outros países e as pessoas q moram nele tem hábitos e costumes diferentes, porém deve ser bem diferente conhecer isso + de perto e poder conviver e conhecer um pouquinho pessoas de outras nacionalidades!
:)

bisou
:*

Leandro Wirz disse...

Bacana! As diferenças são enriquecedoras.

Mr. Lemos disse...

Minha irmãzinha tá crescendo da melhor maneira possível. No fim valeu a pena ter saído da tv (literalmente) para ver as coisas longe da tela, né? Te amo

Le disse...

Enendo bem o que vc quer dizer... Ah! A do xixi sentado eu nao sabia!

Ana Paula disse...

Oi Mirelle!
Meu nome é Ana Paula e leio bastante seu blog. Esse texto foi muito bem escrito, nossa!
Já estive na França e particularmente gosto bastante dos franceses, apesar do mau humor. hehe Esse contato com pessoas de outros lugares é uma experiência única mesmo. Continue contando para a gente dos seus novos amigos!
Bjos!

Kaety disse...

Oiee, adorei seu post,
Mas fiquei curiosa pra saber que prato típico vc levou...rs

Beijos,

Amanda Meira disse...

Lendo, notei que meus olhos estavam sorrindo.

Anônimo disse...

amei conhecer um pouco da frança com vc, mas e sobre os perfumes e os hábitos dos franceses se perfumarem?

Leia também:

Related Posts with Thumbnails