segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O povo de Israel

Desculpem o sumiço, para fugir das temperaturas negativas fomos para Israel. Nossa, tenho tanto para contar! Prometo voltar logo com dicas de viagens e fotos incriveis, mas quero começar pelo mais interessante: o povo. Entre tantas guerras, odio e destruição, pobreza e dificuldades, disputas e intolerância, eles ainda conseguem sentir orgulho do lugar aonde moram. Israel é um lugar sagrado para todos que nascem la: judeus, muçulmanos, cristãos - não importa. Um povo que aprendeu, muito antes de nos, o signifcado de miséria, de dor e de injustiça e por isso, teria todos os motivos para querer ir embora ou falar mal. Como fazem os brasileiros, sabe? Pois não foi nada disso que eu vi. Vi orgulho, amor, boca cheia em cada cidadão que faz questão de falar bem do seu pais. Vi sorrisos, boa vontade, bom humor, carinho, respeito, amizade. Nunca, em lugar nenhum onde estive, conheci pessoas tão generosas e especiais como em Israel.

Viajar sem pacote ou guia te obriga a interagir com os locais, pedir informações em Israel pode ser a parte mais gostosa da viagem se você se abrir para falar com eles (a lingua oficial é o hebraico, mas quase todos falam inglês). Eh dificil puxar assunto com alguém e ouvir uma resposta direta, os israelenses são generosos nas explicações. Em Tel Aviv, so queriamos saber se estavamos no caminho certo para chegar em Old Jaffa, mas o Ben não so fez um mapa, como nos deu nomes, endereços e telefones dos melhores restaurantes do lugar. "O Abu Hasan faz o melhor humus da cidade, não deixem de ir". Uma simples informação, que na França seria respondida em 3 segundos (com um sonoro je ne sais pas), durou 20 minutos e resultou na troca de Facebooks e convite para voltar.

Em Jerusalém, Mohamed enriqueceu o caminho da rodoviaria até o hotel, fazendo questão de nos apresentar cada detalhe da cidade que percorremos no taxi dele. Foi tão solicito que, dias depois, decidimos passar mais algumas horas em sua compania, fazendo um passeio até o Mar Morto. Aulas de historia e lições de vida que eu não vou esquecer jamais. Sem falar na simpatica moça da pizzaria, no judeu da lojinha que queria negociar os nossos relogios, no muçulmano do suco de romã que ria das nossas piadas, nos cidadãos simpaticos que sempre, sempre!, nos respondiam com um sorriso no rosto, como se soubessem que aquilo nos faria querer voltar. 

Mohamed não é judeu, mas tem alma de negociante e não aceitou os 270 shekels que lhe oferecemos para nos levar de Jerusalém a Tel Aviv, mas não nos deixou na mão. Ligou para alguns amigos e em poucos minutos convenceu Abed a fazer a corrida. Confesso que pegar a estrada em Israel de taxi, às 10 da noite, não me pareceu uma ideia muito segura no começo, mas foi entrar no carro para o medo sumir. A estrada é incrivel porque o pais investe muito no turismo e sabe que Tel Aviv-Jerusalém é trajeto obrigatorio para quem visita o pais (não tem aeroporto em Jerusalém). Uma hora depois, ja estavamos na porta do nosso hotel, seguros e felizes, graças ao bate papo esclarecedor que tivemos com o Abed, outro muçulmano que nos deu a versão deles da historia.

O que me chamou muito a atenção é o carinho que os israelenses (judeus, muçulmanos e cristãos) têm pelos brasileiros. Antes de começar uma conversa, sempre nos perguntavam de onde vinhamos. "Brazil? Welcome!". Foi assim o tempo todo, o que me fez pensar que com outras nacionalidades poderia ser diferente, dai Mohamed nos explicou que os italianos, por exemplo, (romanos principalmente) não são bem-vindos por la. Se considerarmos as guerras judaico-romanas, faz sentido. Então, me dei conta das vantagens de ser brasileira e não ter problemas para entrar em pais nenhum no mundo. Quem viaja muito, sabe o valor que isso tem. Ja que podemos, por que não deixar um pouco de lado aqueles destinos tradicionais para nos aventurarmos em outros mais exoticos, como Israel? Um pais que tem cultura, historia, infra-estrutura e diversão, mas que acima de tudo, tem gente - do tipo que Paris nenhuma tem.

Leia mais:
Israel: o que você precisa saber antes de ir
Tel Aviv, o que fazer?
Os lugares mais sagrados de Jerusalém

30 comentários:

Bel! disse...

Aaah, você sempre sabe como deixar a gente com vontade de conhecer cada cantinho que você visita! Adorei o seu relato, como boa faladora que sou, lugares com pessoas receptivas, amigáveis e que gostem de falar são os meus preferidos em todo o mundo!
Colocarei Israel no roteiro de viagem na minha próxima vinda à europa com certeza!
Ah, sobre o bouchon, super recomendo o Laurencin, fica na Vieux Lyon, 24 Rue Saint Jean, atendimento ótimo, bem simpático (surpreendentemente ^^)
Oh, eu vou embora dia 10, então dia 09 vou fazer minha despedida lá no Flanigans, bar onde eu trabalhava, em Hotel de Ville...aproveitar pra reunir o pessoal pra ver o jogo do Brasil. Se você e o Leo puderem ir, eu vou ficar super hiper mega feliz!

Cláudia Acourt disse...

Estou aguardando as dicas e fotos. Eu sou uma apaixonada por Israel e seu povo. Vc disse algo fantastico: eles tem orgulho do Pais deles. Podiamos tanto aprender isso com eles, nao è mesmo?
.
Abraços

Zoe disse...

Oi Mirelle!Adoro seu blog!Adorei seu post sobre Israel! Estou aguardando mais historias de lá!Sempre quis conhecer o Oriente Medio, um dia eu vou também! bjs

Leandro Wirz disse...

Estava mesmo estranhando o sumiço.Estaria minha amiga em bloqueio criativo? Mas eis que a ausência no blog foi ótimo motivo: correr o mundo e aprender. Sempre aprender.
Bjo

disse...

Também estranhei o sumiço! Viajar é tao bom... faz tempo que nao fazemos turismo pra valer, mas agora que o Rafael ta' maiorzinho, vamos ver se voltamos à ativa.

Ficarei atenta ao relato da viagem!

Leonardo disse...

Amor,

Em Israel so tem figuraça. Em que outro lugar do mundo a gente entra numa loja e o vendedor pede pra comprar o relogio da gente? Tudo isso naquela simpatia. Parece que estressado em Israel so o pessoal da alfandega mesmo. Rs.

Outra coisa impressionante é que 100% das pessoas que encontramos falavam inglês. Isso facilita, e muito, a vida do turista.

Bjos

Juliana Yonezawa disse...

Que delicia de relato!! To louca pra ver os proximos...

La e assim mesmo. Nao conheci Tel Aviv, mas em Jerusalem tb tinha muita gente simpatica e um dos vendedores tb quis comprar nossa maquina fotografica. A gente perguntou o motivo de ele insistir tanto (minha maquina nem e tao boa) e ele respondeu que e dificil encontrar produtos bons, so tem os Made in China por la...

Agora que vc falou que aconteceu com vc tb, fiquei meio desconfiada...

Bom, vou ficar de olha para ler as cenas dos proximos capitulos

Mirelle Siqueira disse...

Ju, eu quase vendi o Léo! hehehe

Ta no sangue dos judeus fazer bons negocios! O cara me fez tirar o relogio do pulso, colocou aquelas lentes para ver se ele era bom mesmo e fez a proposta, nos choramos de rir! So não vendi pq foi presente da minha mãe, senão eu ganharia uma grana em cima do tiozinho! (judeu é bom de comércio, mas eu sou mais!) ;)

bjim!

Paula disse...

E conseguiram o ap pra mudar?
bjão

Mirelle Siqueira disse...

Não Paula, fomos ver mais um hoje e até que não era tão ruim, mas o vizinho de baixo toca piano o dia todo, ngm merece né? bjo!

Mr. Lemos disse...

Boooa, irmã! Do pouco que fiquei por lá, tive a mesma impressão. A turma é mesmo bacana e muito, muito educada. E vc tomou suco de romã, foi? Eu vim embora com vontade. Acho que preciso voltar. Bjo, tô esperando mais aventuras.

Patty disse...

Mi, vou contar um breve relato.
Tive um treinamento com um Israelense, chamado Nir aqui no BR. Fiquei incubida de levá-lo p/ conhecer os pontos turísticos de SP. Ele queria ver gente. Bora eu levá-lo p/ 25 de Março, Ibira, Mercadão...Com tantos pontos que passamos, pude conhecer a história deles e ele a nossa. Ele ficou encantado e eu mais ainda. Eles são muito educados, simpáticos, e amam nosso país e nosso povo. Ah, não podia deixar de comentar que ele, como bom judeu, fez negócio com o menino da barraca que vendia óculos. De R$ 25,00 ele bateu o martelo por R$ 10,00. Figura!
Resumindo, foi uma aula de cidadania, fazendo com que a vontade de conhecer essa maravilha de perto e esse povo cresça mais e mais, ainda mais com o seu relato.

Bjs!

Laura disse...

Que coragem, Mirelle!!! Eu acho que não teria ido para um pais em conflito. Ja ouvi relatos de outros amigos que ja foram e tb adoraram. Muito bom ler o teu post.
Beijos

K∂riиє* Smith. disse...

Ai que lindo Mi, você deveria ter um cartãozinho com o endereço do seu blog pra dar para eles, que pena que eles não saberão sobre o texto lindo que vc escreveu sobre eles!

Deu vontade de ir, s´ø pelo povo, adoro gente que é gente, sabe?

beijo e as fotos estão lindas!
Doida pra ver mais!

K∂riиє* Smith. disse...

Quanto "eles" no meu comentário! vixe! sorry!

ALVES DE MORAES, Gustavo disse...

Começo dizendo que adorei a tua ultima frase! Brasileiro tem que parar de falar de Paris, Paris, Paris! Existe muita coisa melhor no mundo que aquela cidade cheia, confusa, cara e metida!

Legal aprender sobre Israel, mas senti falta dos comentarios culinarios (Léo, onde vc estava enquanto ela tirava fotos???), afinal vcs nao ficaram so no humus e no McFalafel, né? Alias, pq vc nao vendeu o Léo por um kilo de Falafel? O preço ta justo, nao?

Lívia Carolina disse...

Eu simplesmente adoro ler este blog!!!

Seus posts são maravilhosos, Mirelle! Adoro!

E eu, que nunca tinha pensado em ir para Israel - por mais que a história do lugar chamasse minha atenção - fiquei com uma pulguinha de vontade atrás da orelha!!!

Já estou ansiosa pelos próximos relatos!

Bjos

FalaTurista disse...

O que mais me chamou a atenção foi o primeiro parágrafo, onde você falou sobre a visão que você tinha de Israel antes de chegar lá.

Acredito que seja a mesma de muitas pessoas antes de conhecer locais como esse.

Mas como você disse, é um local maravilhoso e que enfrenta suas dificuldades com cabeça erguida e muita vontade!

Parabéns pela viagem e pelo relato!

Lupinha Casari disse...

Adorei a sugestao e o artigo, bem escrito como sempre !!! Aguardo ansiosa as fotos e dicas de viagem !! Deu um calorzinho bom no coraçao (nesse friiiio sem noçao que estamos passando).
beijinhos

Débora disse...

Mirelle, muito bom seu texto sobre a viagem. Até então Israel não era um roteiro para mim, mas acho que me convenceu... Queria uma dica sua, quando foi para Roma em que hotel se hospedou? estou indo em maio com meu namorado e estamos confusos na escolha do hotel. Obrigada

Camila disse...

Eu sempre imaginei Israel como um lugar mágico, mas nunca tinha ouvido falar sobre a simpatia do povo. Deve haver uma energia no ar que deixa as pessoas mais simpáticas. ;)

Mirelle Siqueira disse...

Pois é pessoal, Israel é mesmo incrivel, podem começar a considerar essa viagem!

Débora, as duas vezes que fomos pra Roma ficamos em hotéis que não indico. O primeiro era péssimo e o segundo era caro e longe da cidade, não demos sorte. Mas indico a procurar no booking.com e ver os comentarios dos clientes. boa sorte e aproveite a viagem! ;)

beijocas

Oscar disse...

Mirelle

Olha tenho que dizer que nao tenho nenhuma "vontade" de conhecer Israel, mas depois de ler seu relato de viagem acho que tenho que comecar a rever meus conceitos...
Sempre é tao legal nos surpreendermos com um destino que nao tinhamos tantas expectativas ne?!?
Pelo menos para visitar Jerusalem ter cidadania Brasileira é algo bom!! Rsrs

Otimo Post estarei acompanhando os proximos Posts da Terra Santa

Mirelle Siqueira disse...

aaaai Osacar, vc TEM que ir, serio, é demais! fica atento que amanha ja sai mais um post, serao varios, bem explicativos para ajudar quem ja esta indo e para incentivar pessoas como vc a irem tb!!! é a minha meta! considere e volte amanha! bjo

myiska disse...

Gosto mto de seu blog; essa descrição sobre Israel tb mudou o conceito q tinha - apesar de q já tinha ouvido comentários positivos; mas saber do povo é surpreendente! incrível! fazia outra idéia...
Aguardamos mais relatos e fotos.

Um abraço

Luciene disse...

Adorei as explicaçoes.

Essa simpatia do povo foi uma otima surpresa pra mim.
Mas tb acho q vcs dois devem ser super descontraidos e facil de se simpatizar ;)

Anônimo disse...

Obrigada Mirelle. Tentarei no booking.com Um abraço pra vc!

Carol bsb disse...

Oi Mirelle,

Nossa, seus posts sobre Israel são bárbaros. Sempre quis conhecer e minha vontade aumentou qdo conheci alguns israelenses em uma viagem no Peru. Muitos deles, depois do serviço militar e antes de começarem a faculdade, tiram um ano ou semestre sabático. Eles amam a América do Sul, mas dizem q o Brasil é para poucos pois o consideram muito caro. Enfim, mais são super simpáticos, alguns deles falavam português!!! E o inglês deles é perfeito! Parabéns pelo blog! Bisous!

Anônimo disse...

Adorei o post,e blog todinho! Eu vivo em Israel, em eilat a ja 5 anos, e adoro. E bem assim como voce escreveu, eles adoram brasileiros, sao muito atenciosos, apesar da situacao critica do pais, eles estao sempre rindo :)

BRECHÓ DA MENINA - Curitiba, Paraná disse...

=)
Conheci seu blog procurando por óleo essencial de lavanda, aí parei em um post sobre os campos de lavanda =)
Fuçei bastante seu blog já e parei nesse de Israel por causa daquela lista que você fez indicando posts antigos que não receberam muita atenção e que você se dedicou para escrever. Gostei muito desse, já que mostrou uma outra visão do povo de Israel. Continue assim, quebrando mitos e tabus hehe.

Só viajei uma vez para fora do Brasil. Fui para a Espanha conhecer meus ascendentes, fiquei um mês por lá e descobri que me encanto mais pelas cidades do interior e pelos detalhes que ninguém menciona nos blogs de viagem. Gostei muito daqui por isso! Bom saber que você dá importância a simplicidade e humanidade da coisa, e não ao que é da moda ou ao que todo mundo faz/fala.
Vou te passar o link do meu primeiro post =) http://brechodameninazen.blogspot.com.br/2012/07/viagem-espanha-parte-1.html

Sobre seu post de Uberlândia, eu já morei lá também =)

Estou acompanhando você =)
Beijos,
Fernanda.

Leia também:

Related Posts with Thumbnails