quinta-feira, 8 de março de 2012

Hoje NÃO é o Dia da mulher

Talvez seja no Brasil, mas aqui na França é o Dia internacional dos direitos da mulher. Não percebe a diferença? Eu te explico. Sabe quando você vai em um restaurante chique e o garçom te serve antes de servir o homem que esta na sua mesa? Então, ele não esta sendo gentil nem educado, ele so esta seguindo uma tradição que vem de longa data, quando naqueles imensos banquetes as mulheres eram servidas primeiro, para que os homens pudessem saborear os seus pratos ainda quentes. Sacou a sutileza? Ficamos tão contentes com a "delicadeza", que sequer enxergamos o machismo por tras dela.

Uma das aulas mais interessantes que tenho esse semestre é a que trata sobre o feminismo. Nunca gostei dessa palavra e nunca quis me associar à ela. Como nunca achei a mulher melhor em nada que o homem (nem pior, diga-se de passagem), me mantive distante também das feministas. Como se fosse possivel ser mulher e não ser feminista, bobinha. Essa nova aula tirou do meu imaginario um monte de pré-conceitos e colocou no lugar deles uma realidade que a gente vive todos os dias e não vê. Ou finge que não vê. Os 120 minutos que passo espremida na sala de aula me fazem pensar em assuntos que nunca receberam muito a minha atenção. Percebi, por exemplo, que quase todas as minhas amigas são machistas, inclusive as que acham que não são. O curso é pesado e eu saio de la exausta, questionando o mundo.

Dai eu chego em casa, tiro os sapatos e me deito no sofa. Enquanto viajo nos meus questionamentos, ouço um barulho de agua corrente vindo da cozinha. Eh o Léo, lavando a louça que eu não tive tempo de lavar depois de tomar o meu café. Exatamente como ele esta fazendo agora, enquanto estou de pés para o alto, escrevendo esse texto. O meu marido esta logo ali, lavando a louça. E não é uma exceção! Eh ele quem lava 90% da louça que sujamos aqui em casa, sem eu precisar pedir. Também é ele quem faz as compras. Faz mais de dois anos que estou aqui e nunca fui ao supermercado. E mais: além de não deixar faltar o meu pão integral de todas as manhãs, ele ainda me prepara uma caneca de cha antes de sair para o trabalho, todos os dias da semana (aos sabados e domingos o cardapio muda e eu tenho direito a suco de laranja com pão na chapa, servidos na cama). Às sextas, ele me traz flores. Toda sexta-feira. Dois anos de casados.

Impossivel não pensar nas colegas de classe que chegam em casa e encontram os homens que a professora descreve em aula, seja o pai, o marido ou um namorado. Homens que, provavelmente, vão lhes dar flores ou parabéns nesse 8 de março, um dia do calendario dedicado à luta das mulheres, que os homens conseguiram encher de machismo, como, alias, acontece nos outros 364 dias do ano. E a gente vai na onda, aceitando os parabéns, se contentando com as flores. Tão facil dizer que os homens precisam aprender, de uma vez por todas, qual é o papel da mulher na sociedade. Tão dificil entender que essa lição precisa ser absorvida, antes de mais nada, pelas proprias mulheres. Homens machistas são paridos e educados por mulheres, não se esqueça disso.



"On ne naît pas femme, on le devient", Simone de Beauvoir.

40 comentários:

Joyce Conde disse...

Muito bom Mirelle! Acho legal a postura dos homens ai na França, pena que no Brasil é tudo muito diferente.

Mirelle Siqueira disse...

Meu marido é brasileiro, Joyce. O que é difernete aqui na França não é a postura dos homens, é a postura das mulheres.

Fernando Pedro disse...

Parabéns pelo blog. Acho que já li ele todo :)
Quanto a este post específico concordo com você. Comemora-se os direitos das mulheres. Direitos esses que qualquer pessoa com bom senso sabe que não precisaria de um dia específico para lembrar-se dele.

Sempre fui desses de levar café na cama (nos finais de semana, durante a semana é muito corrido).

Até hoje, mesmo morando no Timor Leste, ainda acordo 1 hora antes da esposa e faço o café, preparo as torradas ou o pão na chapa com queijo e manteiga. Quando a mesa está pronta é que acordo a esposa. E gosto disso.

Camila disse...

Interessante o post, esse dia poderia servir para as mulheres e homens refletirem sobre suas atitudes, mas parece que uma flor já é o suficiente.

Glenda Di Muro disse...

ACABEI de escrever isso lá no meu Face. Não quero flores e nem quero parabéns, quero um compromisso com a igualdade. E é a igualdade que o feminismo prega, ao contrário do que muita gente (ignorante, desculpe) pensa. É bem como você falou, impossível ser mulher sem ser feminista!!! E são os próprios homens que tentam diminuir os ideais feministas fazendo com que a maioria acredite que o que queremos é a superioridade feminina...tsc, tsc... Quando alguém (principalmente mulheres) me diz que odeia feministas, fico sempre com o pé atrás: ou não sabe o que está dizendo ou é um completo imbecil (muitas vezes a primeira opção é a mais correta).
Enfim Mi, é complicado. Aqui em casa o Paulo se encarrega de muitas das atividades domésticas e fico muito, mas muito feliz por ter ao meu lado uma pessoa que de machista, não tem nada (muito pelo contrário). E a luta continua!

Patty disse...

Como diria minha mãe: o dia da mulher é todo dia! E é isso mesmo.
Damos parabéns, recebemos parabéns e no fundo sabemos o quão importante é o nosso valor, sem precisar de um dia só nosso, como o capitalismo gerado em torno disso faz, mas entramos na onda e saimos por aí dando parabéns e agradecendo aos que nos mandam.
Que os homens e mulheres deixem de ser machistas e feministas, e que haja uma só atitude: respeito - esse mesmo que o Léo exerce e tantos outros por aí.

Elis disse...

Excelente post! O dia sendo dos direitos da mulher faz muito mais sentido. Gera debates, reflexões, até protestos, e não apenas aquela homenagem rasa que fazem no dia da mulher aqui. Isso não gera nenhum pensamento, só uma atitude machista mascarada de boazinha. E aí no dia seguinte tudo volta ao normal, o machismo velado bem como outros preconceitos por parte de homens e mulheres.
Quer dar uma flor? Não acho que tenha problema. Mas tenha respeito também ao longo do ano, e pela vida toda. Vale muito mais.

Helô Righetto disse...

concordo! e realmente, nao da pra ser mulher e nao ser feminista, mmo q a gente ache q dá.

O Tabuleiro da Baiana disse...

Como sempre adoro os seus textos!
Hoje mesmo ja acoredei dizendo: nao me traga flores! Destesto essa comemoraçao que como tantas outras, tem se tornado mais comercial que lembrança de conquista de direitos. Mas enfim...
Ae Leo! Cada dia que passa esse menino ganhas mais pontos com a minha pessoa!!!
Xero linda!!!
E que possamos todos os dias comemorar as nossas vidas, isso seria suficiente pra mim!

Valéria disse...

Oi Mirelle!
Também comecei meu post falando da importancia de cada dia. Quero flores, presentes, parabéns e um marido que antes de tudo me vê como sua companheira. O cafezinho servido pelo marido faz o dia acontecer diferente, heim? Também tenho este prazer!
Beijinhos e um feliz dia da mulher!

Mirelle Siqueira disse...

Ei Fernando! Que prazer ver um homem no meio do nosso debate! Que você seja cada vez mais respeitoso e carinhoso com a sua esposa e que criem os filhos de vocês da mesma maneira! O parabéns de hoje não é pra nenhuma de nos, é pra você e pros homens que têm a sua conduta.

Eh essa a ideia, Camila! :)

Glenda, eu falo isso pro Léo, que ele é o homem mais feminista que eu ja conheci! Apesar dos meus problemas com minha sogra, não posso negar que ela soube cria-lo muito bem! Aqui em casa não tem essa de "o meu marido me ajuda", eu é que ajudo ele, ja que ele faz muuuuuito mais do que eu. Beijo pro Paulo nesse dia das mulheres e parabéns para ele tb!!!

Patty, o parabéns é automatico né? A gente quase nunca para para pensar no que tem por tras dele. Parabéns pra você por ser uma pessoa linda, que gosta de aprender, de evoluir. Mas não te dou parabens por ter uma vagina, rs!

Exato, Elis! Nada contra as flores, o problema é se contentar apenas com elas.

Eh, Helô, não da. :)

Ah, Brenda, o Léo é uma raridade mesmo! Ah, acho que sua mae deixou um recado pra vc no meu ultimo post, vc viu?

Isso mesmo Valeria! A gente quer tudo, como eles têm!!! E sim, começar os dias ja sendo mimada pelo marido faz td ter um gostinho especial.

Beijos mulheres!

Leonardo disse...

Amor,

Hoje na hora do almoço estavamos conversando na cozinha aqui do escritorio e eu aproveitei pra tentar descobrir a opinião das mulheres sobre o "dia das mulheres".

A unica das minha colegas que disse que não adianta fazer nada pois o mundo é machista e não vai mudar, diz que a condição dela hj não é diferente da situação da mãe dela e da avo. Todas as 3 trabalha(va)m fora e tinhas uma segunda vida ao chegar em casa: arrumar, limpar, cozinhar, etc, muitas vezes sem nehuma ajuda do marido. Dai eu perguntei se ela ensinara o filho dela, que tem 18 meses, a não participar em nada em casa como o pai dele, e ela me respondeu: "-Claro que não!".

Dai eu disse pra ela, se seu filho aprender diferente do pai, vc também vai ter contribuido em alguma coisa na luta pela igualdade.

Essa historia de que a mulher tb contribui com o machismo é uma das primeiras coisas que a mulher precisa entender para lutar contra ele.

Otima reflexão!

Bjim

S. W disse...

Concordo com voce Mirelle! Eu nunca "celebrei" o dia internacional das mulheres por nao entender a natureza da data. Ou como muitas gostam de bradrar: somos lutadoras... bla bla bla tentando se sobressair perante a igualdade que deveria haver entre homem e mulheres.

Eu trabalho e estudo, meu marido tem uma jornada menor do que a minha pois nao estuda. Quando eu chego em casa do curso eu tenho janta quentinha, tenho compras feitas (inclusive com tudo que eu gosto) e tenho roupas estendidas que eu coloquei pra lavar antes de sair de casa.

Nos dias de limpeza dividimos tudo igualmente e pagamos as contas igualmente, pois os nossos salarios quase nao tem diferenca. Eu chamo isso de respeito e igualdade. Nao quero ninguem me bancando, pois no momento eu tenhos as mesmas condicoes que ele, tambem nao quero que ele me traga flores hoje e amanha espere que eu me mate com a limpeza de casa, pois ele faz o "papel" de homem e eu o da mulher.

beijos

Mirelle Siqueira disse...

Pois é, amor. E começa desde muito cedo. Nos, mulheres, muitas vezes não percebemos que estamos contribuindo para esse machismo quando vestimos as bebezinhas de rosa dos pés à cabeça e os meninos de azul. quando damos apenas bonecas pras filhas e carrinhos pros meninos. quando não ensinamos os filhos a pegar uma vassoura pra ajudar a mamae (ou o papai, que vai ser no nosso caso) a limpar a casa. a gente não percebe que ta contribuindo pra esse imenso abismo que existe entre mulheres e homens quando seguie padrões que a gente nem questiona mais. ainda bem que nos dois falamos muito sobre esse assunto em casa, assim tenho a certeza de que nossos filhos vao crescer com uma mentalidade mais aberta: o menino sabendo que é normal dazer balé, usar rosa e limpar a casa, e a menina sabendo que pode conquistar o mundo, jogar futebol, ter cabelo joãozinho.

te amo!

Patty disse...

Hahaha, adorei a resposta Mi: "...por ter uma vagina"! É bem por aí mesmo, é automático, mas sabemos do nosso valor sempre e não só nesse dia, como também valorizamos aqueles homens que nos respeitam verdadeiramente.
Bjoka :)

Aliki disse...

O problema no mundo (não sei se isso é exclusividade do brasil, acredito que não) é que tudo se torna uma data para gastar, assim os verdadeiros propósitos ficam escondidos atrás de flores e chocolates.
O feminismo é visto hoje em dia mais como um movimento para odiar os homens do que para ajudar as mulheres... tão, tão errado isso.

Belo post o de hoje.

Beijos.

Liana disse...

meu, a data é pra comemorar um marco na sociedade quando mulheres ganharam direitos. o nome da data - inclusive no brasil - é dia internacional da mulher, por causa disso. aí no brasil o povo dá parabens por ser mulher, e mulheres se acham o maximo somente neste dia por serem maes, trabalhadoras, donas de casa. meu, há um conflito ai. nao eh a mesma coisa. antes, a mulher ja era mae e dona de casa. entao agora tao comemorando o que, poderem trabalhar fora de casa?
serio. tem umas pessoas que tao ai enchendo a boca publicando no facebook, twitter, diabo a quatro parabens pra nos que somos o maximo. cara.... nao sabe nem o que se esta "comemorando" hoje. termina sendo mais uma data banalizada e o real motivo e proposito nao eh nem lembrado. lamentavel.
se hoje eh um dia pra celebrar direitos ganhos, otimo. mas nao me venha dizer parabens pq somos lindas, ambiciosas, bla bla bla. ...parabens pelo que mesmo? por representar uma "categoria"? nao nao. eu so estou fazendo proveito do que a sociedade me proporcionou, do que se tornou. quem merece parabens sao as que realmente trabalharam por esses direitos ha anos atras. talvez uma homenagem, sei la o que. mas eu nao tenho nada a ver com isso. entao me poupe dos parabens.
sei que to parecendo meio revoltada, mas é isso mesmo o que eu penso.

bjo mi.
ps: venha pro show de rhcp!!!!!

Roberta Brasil Araujo disse...

Olha, meu marido mora no Brasil, mas jhá 8 anos é ele quem afz as compras do supermercado e lava a louça quando estamos só nós.

ALém disso troca fralda do nosso filho de 1 ano, dá banho, prepara a vitamina dele e não faz isso de vez em quando, mas sempre! E não porque nós dividimos as tarefas, mas porque faz questão! Ele sempre disse que daria os banhos, desde a gravidez, e cumpriu com o que disse.

ALém disso, mesmo quando só eu o amamentava, sempre acordou de madrugada, tirou do berço e me entregou o bebê na cama, e depois da mamada, levava de volta ao berço.

Quando comento isso, acham que sou uma ET. Ou melhor... Não acreditam que seja verdade! Pensam que estou inventando... E quem pensa isso são mulheres e mães!!!

Roberta Brasil Araujo disse...

A conclusão disso: esperamos 6 anos pra ter nosso primeiro filho, mas foi tudo tão tranquilo e, ao mesmo tempo, delicioso, que já estou esperando o segundo(e último). :-)

Se eu fizesse tudo só, não ia partir pro segundo tão cedo!!!

Obs: Temos babá, mas ela trabalha no horário comercial durante a semana (enquanto estamos fora) e sábado até meio-dia. Ou seja, em casa, nos viramos os dois e, mesmo assim, achamos tranquilo.

Acho que geralmente as mulheres que reclamam muito do trabalho, é porque não tem a ajuda do marido.

Bloguinho do Enzo disse...

Mi, sábias palavras... Concordo!!!

Com a correria, quase não tenho vindo aqui...

Acabei de ler o post sobre os pacotes de Passatempo...

Que coisa mais deliciosa receber esse carinho... Que linda essa forma de amor sendo entregue através das correspondências, rs...

Acho o máximo a grandiosidade da amizade de vcs duas!

Que Deus abençoe...

Ahhh...Enzo já completou um aninho... Fizemos tb o passeio até Maceió, rs... Td mto gostoso, só que por falta de tempo, ainda não postei!

Beijooo

Lud disse...

Mirelle,
que bom que você se descobriu feminista!
Beijos,

Anônimo disse...

Nossa... Li o post e fiquei muito triste...
Me dei conta como sofro diariamente com o machismo. Trabalho 8 horas por dia enquanto que meu marido faz o próprio horário, trabalhando na maior parte do tempo de casa mesmo. E todos os dias eu chego em casa à noite e, depois de ter enfrentado uma guerra que envolve trânsito maluco, chefe chato e clientes abusados, vejo ele deitado assistindo televisão, enquanto que eu mal chego e tenho que enfrentar a batalha das tarefas domésticas. E quando tento me insurgir contra isso, ele simplesmente olha pra mim e fala: "Vc é igualzinha à sua mãe. Vc é muito feminista." Minha mãe realmente me deu uma educação bem diferente... E engraçado como às vezes vamos deixando a vida nos levar e nos surpreendemos enfrentando situações que entram em choque com nossas próprias convicções. Bom, esse blog é ótimo e o post serviu bastante pra refletir... Hoje não irei aceitar flores nem presentes.

Milena F. disse...

Adorei ainda mais o final do texto, que "homens machistas são educados e paridos por mulheres", pois sempre vi muita mulher reclamando que se sente sobrecarregada, que o marido e/ou filhos não ajudam em nada, mas muitas vezes são elas que não deixam!!! Acham que o marido não vai fazer tão bem quanto elas, e querem "poupar" o filho, que cresce sem saber arrumar a cama ou fazer uma massa.
Ainda me espanto de ver que em 90% dos casos, mesmo aqui na França, se a criança está doente ou houve um problema na escola, é a mãe que vai largar tudo e sair correndo para resolver o problema, enquanto o pai não pode ser "incomodado" no trabalho.
E infelizmente mesmo por aqui se fala muito mais de "journée de la femme" do que em "Dia internacional dos direitos da mulher"...

Ka disse...

Tive um ótimo exemplo esse fds quando encontrei com uma amiga que disse que o marido não trocava a fralda da filha deles.
Se eu fosse ela teria vergonha, porque, né?
se a mãe não educou, que eduquemos nós!

Minha mãe fica passada com as coisas que o rosinha faz pra mim o ano inteiro, a mãe dele fica revoltada e eu fico feliz, por ter um marido hands on :)

Nathalia disse...

Se o "Dia da Mulher" servir ao menos para fazer surgir debates interessantes como este, aqui e acolá, já valeu a pena.

Meu marido também é como Léo, ele faz faxina toda semana, lava roupa, lava a maior parte das louças, faz mercado e cozinha todo final de semana e eu ainda sempre escolho o cardápio!

Essa reflexão me fez até ficar com peninha dele e pensar que eu tenho que ajudar um pouquinho mais também, tadinho! rs

Ele é um fofo e não acho que eu tive apenas sorte. Eu tive também escolhas.

Sempre vi amigas sofrendo, desde a adolescência, com homens machistas, galinhas, desrespeitosos (o brasileiro em geral é machista demais!). Mas não os largavam, pelo contrário, corriam atrás.

Enquanto homens assim tiverem mulheres que os aceitem (e, pasmem, geralmente eles são populares entre as mulheres) pouca coisa vai mudar.

Precisamos não apenas nos valorizar, mas valorizar os homens certos.

Quanto à educação que passamos aos nossos filhos, a maior parte vem dos exemplos dos próprios pais. Por isso, é melhor mesmo começar consertando ou, se for o caso, mudando de marido!

Camila Navarro disse...

Sempre achei uma baboseira esse negócio de comemorar o Dia da Mulher, mas achava que a maioria das pessoas também pensasse assim. Aí hoje no trabalho todos os colegas vieram me cumprimentar, homens e mulheres, se abraçando como se fosse o aniversário de alguém. Quando recebi o primeiro parabéns soltei um "Pelo que?". Depois tive que dar um sorriso amarelo a cada vez que vinham me cumprimentar durante o resto do dia. Como já disseram, é só mais uma data coercial: o dia de ganharmos flores... Ainda bem que aparecem pessoas como você, Mirelle, para gerar debates interessantes e fazer as pessoas pensarem um pouco a respeito do que realmente importa.

Fernanda Ornelas disse...

Vc falou tudo, a diferença é como as maes educam os meninos! Meu marido tbm me ajuda e so nao faz mais pq ele trabalha muito. E pequeno ele colocava a mesa punha a roupa na maquina pra lavar etc...

Patty disse...

Me comovi com o comentário anônimo de uma mulher, e concordo com ela em não aceitar flores e presentes!

Celso disse...

Acho o máximo essa discussão sobre o direito das mulheres, feminismo, gênero... A maioria absoluta das pessoas, principalmente as mulheres não fazem a menor ideia do quanto é importante pensar nessas coisas. Deixo aqui duas contribuições.

1) Um textinho que uma professora super querida e inteligente postou no facebook ontem e achei super bacana:

"Nossa luta foi e é, como bem lembrou Renato Janine citando Castoriadis, em pequenos e silenciosos gestos. Se faz quando criamos nossos filhos e filhas menos machistas, mais igualitarios, menos em discursos e mais em ação: lavando pratos, arrumando suas próprias coisas, mais independentes. Se faz nas nossas posições ao longo de vidas inteiras, de gestos de indignação diante de Xuxas, de recusas diárias, de "nãos" a modelos impostos, modelos a que muitos disseram "o que custa?". Dissemos nos custa muito. Parabéns às muitas mulheres, algumas biologicamente homens, que passaram pela minha vida e pela dos meus filhos e nos ajudaram a sensibilidade da igualdade." (Silvana Seabra)

2) Um link que um colega de curso postou também, do o Atlas Global da Igualdade de Gênero na Educação e que, segundo ele: "Os dados apresentados suscitam reflexões bastante oportunas para este Dia Internacional da Mulher." Concordo bastante!

http://www.uis.unesco.org/Education/Documents/gender-atlas-2012-web2-en.pdf

Beijos e parabéns pelo blog! :)

Mirelle Siqueira disse...

Muito obrigada, Celso, por essa imensa contribuição aqui nos comentarios. Lindo o que a sua professora escreveu, e tão verdadeiro. Tô indo ja ler o link que você deixou.

Obrigada também a todas as outras pelas opinioes. Eu tb fiquei muito comovida com o comentario da anonima, Paty, e contente ao mesmo tempo, por saber que esse post serviu para gerar reflexões e mudanças de comportamento. Nunca é tarde para mudar.

Beijos!

Anônimo disse...

Oi, Mirelle! Fazia tempo que eu nao escrevia aqui, apesar de ler sempre. Tb nao gosto da bandeira de feminista, sempre preferi dizer humanista, mas concordo ctg que às vezes nao da pra ficar indiferente, até pq a luta pelo direito das mulheres no fundo tb é uma luta humanista, nao?
Belo post, bem direto."Homens machistas são paridos e educados por mulheres, não se esqueça disso".
Acho que tive mt sorte de ter sido criada numa casa aonde meu pai sempre cozinhou (inclusive bate a minha mae) e limpou a casa com ela (inclusive banheiros e afins!). Vai ver que é por isso que meu maridao lembra tanto meu pai neste quesito, pois eu nao me vejo absolutamente como "mulher de malandro". E sim, meus filhos ou filhas vao ser criados do mesmo jeito. Essa é a verdadeira igualdade, a vivenciada na prática, no dia-a-dia, no crescimento juntos, no companheirismo, na divisao de contas e tarefas, no dar e tb receber agrados...e o que mais vir pela frente! Beijos e parabéns por lutar por nossos direitos! Façamos nossa parte, sempre, de dentro dos nossos lares para fora!!!
Mari/Fpolis

Anônimo disse...

ahh, esqueci de dizer que tomei a liberdade de publicar no facebook! gros bisous!!!!
Mari/Fpolis

Lizzie disse...

Recado pra vocês que não casaram ainda: dá pra escolher direito! Antes de casar é essencial saber como é a relação do rapazote com a mãe, se ela é do tipo que nunca deixou fazer nada em casa, que pega a roupa suja espalhada pelo quarto e devolve lavada e dobradinha no armário. Eu tenho amigos com mais de 30 que ainda vivem assim, e não querem outra vida, e ainda tem mulher que corre atrás dessas pérolas. Depois não adianta chorar. Repito o que já foi dito, machismo se aprende com a mãe!

Laura disse...

Oi Mirelle, estou adorando teus ultimos posts. Eu me identifico com as tuas experiências. Acabo me dando conta de que era machista mesmo sem saber, que reproduzia comportamentos que valorizavam os homens e diminuiam as mulheres. O livro da S. de Beauvoir me abriu muito os olhos para certas coisas e estou tentando mudar em mim mesma esses comportamentos machistas. Continua assim, muito bom o teu blog!

Mr. Lemos disse...

Bela aula, irmã! Vc sabe bem o quanto eu desprezo datas arranjadas. Gosto de coisas sólidas, como as que o Léo faz. Tá certo que vc tinha que lavar mais pratos aí, mas a gentileza dele é sensacional, mesmo assim. Que continue!
bjoca

Ana Luida disse...

Parabéns pelo blog!
O cavalheirismo não implica necessariamente em machismo. Você trata seu chefe sempre da mesma maneira que seus colegas? E seus pais? Sou mulher criada em casa de 4 mulheres e 1 homem, sempre assistinho meu pai colaborar na manutenção da casa ( ele está com 66 anos e passa toda a roupa - dele e da minha mãe, dentre outras tarefas domésticas divididas com ela). Temos 2 lindos filhos e meu marido sempre colaborou e muito. E continua me mandando flores, abrindo a porta do carro, sempre me dando passagem ... sem me diminuir, sempre demonstrando seu AMOR. E o AMOR É LINDO!!

Miller Manteiga. disse...

Saudar ou parabenizar uma mulher somente um dia no ano não é justo. Mulher é mulher todos os dias, não só no sentido ''físico'' da coisa.
Concordo com o que disseram, direitos iguais a todos, tanto é que eu não parabenizo nenhuma mulher no Dia Internacional da Mulher. Costumo fazer isso não todos os dias, mas sempre que posso, reconheço o quão importante as mulheres são, minha mãe principalmente. Hehehe
Beijo

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Mirelle, vim aqui por intermédio do Ernani do Blog Madruga.
Pelo que ele escreveu sobre você não tinha como não conhecer o seu blog.
Gostei muitíssimo de tudo aqui e principalmente o modo simples de você colocar as situações por aí.
Muito bacana.
Eu nem vou seguir o seu blog. Vou persegui-lo, rs...rs.
Grande abraço.
Manoel.

Carina Cavalieri Cocchiarelli disse...

Mirelle,

No quesito marido realmente dei sorte!
Meu marido não me chama cedo como a maioria dos maridos para fazer o café ou essas coisas.
Ele me deixa dormindo, e quando acordo ele já passou aspirador em casa.
Lava louça, faz o almoço, passa roupa, não tem esse lance de homem não faz.

Mas acredito que muito vem da educação da mãe dele, que sempre ensinou e colocou ele para ser partipaivo na rotina da casa, assim como o pai que tb faz.
É aquele caso de exemplo.

Xoru disse...

Encontrei este blog hoje, gostei muito... Gostei sobretudo deste post, concordo a 100%. É pena é as mulheres se contentarem por serem especiais apenas um dia por ano.

Leia também:

Related Posts with Thumbnails