quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Não existe viagem redonda

Era para ser um final de semana romântico nos Alpes Suiços, e até foi, embora não tenha saido exatamente como haviamos planejado...

O nosso trem partia de Montreux às 8h44 e em três horas chegariamos a Zweisimmen, depois de ver paisagens lindas e montanhas cobertas de neve a bordo de um trem inspirado nos anos 30, no estilo do Expresso do Oriente, como mostra esse post do Viaje na Viagem. Na volta, pegariamos o trem panorâmico - menos charmoso, porém, mais moderno.


Mas, alegria de pobre, você sabe, dura pouco. 20 minutos, para ser mais exata. Foi o tempo que levou o cobrador para pedir os nossos bilhetes e nos informar que haviamos errado na compra. "E quanto custariam os bilhetes corretos?", perguntamos. Ele fez mistério, digitou algo na maquina que imprime novos bilhetes e, quando olhamos, nos assustamos com os 110 francos suiços em destaque na tela. "Por pessoa!", alertou.

Fomos relapsos, compramos os bilhetes errados, mas não estavamos dispostos a gastar ainda mais com o passeio. Perguntamos se podiamos descer, juntamos as nossas coisas e pulamos do trem, que, por sorte, havia parado em uma estação-fantasma no alto da montanha.

O que fizemos? Rimos, ué! Porque riso é a unica coisa que pode sair quando faz cinco graus negativos e você esta no meio do nada, sem saber como voltar para a cidade. O copo meio cheio - afinal, ele existe - é que o sol começava a sair, estavamos na Suiça e o cenario parecia filme de natal, todo branquinho. Apareceu um trem caindo aos pedaços (se comparado ao luxuoso vagão que nos deixou ali), que nos levou de volta para Montreux.

Acontece que saimos de casa com o objetivo de andar de trem (e andamos, por 20 minutos) e ver paisagens incriveis nas montanhas. De maneira alguma voltariamos frustrados para Lyon. A solução era procurar um Office du Tourisme para pedir dicas de passeios na região. A moça nos entregou um mapa, desenhou um roteiro e disse: aproveitem, o dia esta perfeito!


Ela tinha razão, estava. Mas esqueceu de dizer que pneus de neve são indispensaveis para esse tipo de  passeio - coisa que  o nosso carro não tinha. Mas, coitada, ela não poderia prever que parariamos para fotografar vacas Milka suiças na beira da estrada, deixando o carro deslizar para uma vala, não é mesmo?


Foram quase duas horas de perrengue tentando tirar o carro dali. Colocamos madeira embaixo da roda (manobra que so funciona nos filmes), paramos um carro na estrada, enfim, fizemos de tudo e nada. O segundo imprevisto do dia parecia não ter solução, até que vimos um trator no alto da montanha e subimos, com neve na altura do joelho e sem sapatos impermeaveis, para pedir ajuda pro Charles, o suiço prestativo que correu pra nos salvar.


Me lembrei de quando estavamos em Portugal e o Léo esqueceu a carta de motorista na França. Um monte de gente bacana se reuniu para fazer o documento chegar de Lyon a Lisboa em apenas cinco horas! Desde então, tratamos os perrengues que vivem dando o ar da graça nas nossas viagens com leveza e agilidade. Viagem nenhuma é redonda, e isso é a primeira coisa que um viajante tem que saber antes de colocar o pé na estrada. A segunda é que, para a nossa sorte, sempre vai ter um Charles disposto a ajudar.




Acompanhe as nossas viagens através da pagina do blog no Facebook!


43 comentários:

Camila Navarro disse...

Gente, que aventura! Ainda bem que vocês têm bom humor para transformar esses perrengues em grandes histórias de viagem! :)

Matheus Amaral disse...

O legal das viagens, são justamente esses apuros! Mas só depois que passa kkkk

Inaie disse...

20 minutos no Expresso do oriente é melhor que nenhum minuto, né?

:-)

Miller Manteiga disse...

Que bacana Mi, principalmente a parte de não perder o jogo de cintura em momentos inesperados. Se essas coisas acontecem comigo, olha...
Beijo.
Ah, suas fotos são sempre lindas!

Bruna Ribeiro disse...

Me diverti com essa aventura de vocês!
Temos que rir mesmo. Isso é o bom da vida e das viagens :)

Muitas viagens para nós!

Mirelle Matias disse...

Gente, não é tão dificil manter o bom humor na Suiça, especialmente num dia ensolarado de inverno! :)

Carina-Senzatia disse...

Pense que um dia vc poderá escrever um livro sobre os melhores perrengues de viagens EVER! Hahahah

Super beijo! E parabéns pelo bom-humor de vcs!

Nestor Jr. disse...

Se tudo acontecesse da forma exata que foi planejado, teria sido só mais um passeio nas montanhas. Os imprevistos (e os perrenges) deixam sempre as histórias muito mais engraçadas e interessantes. Depois que passa, claro! hehehe :D

Raquel M.B.G. disse...

Adorei! kkkk Claro, a gente acha graça depois de tudo resolvido, né? rs abraços, Raquel

Juliana Yonezawa disse...

Mesmo com tudo planejado, muita coisa pode dar errado. Os imprevistos as vezes são chatos, mas rendem as melhores histórias das viagens...

Mas se eu só tivesse visto as fotos e não lido o post,teria pensado que tudo correu as mil maravilhas ;))

beijao

Anônimo disse...

Hahahahaha adorei a história e principalmente o bom humor, assim é a vida e o bom humor é sempre a melhor saída. Agora sem "puxar sacÔ" pro lado de cá, tem como não ficar de bom humor com essa Suiça linda??? Eu sou encantada pelas paisagens desse país. Bjsssssssss
Thaísa.

Mirelle Matias disse...

Hahahaha! Uma hora esse livro sai, Carina! Porque viajar com o Léo é garantia de ter perrengue pra superar!

Vou falar sobre isso no proximo post, Nestor! Que se a viagem de trem tivesse dado certo nao teria sido tao legal quanto foi a de carro,nem teriamos visto paisagens tao lindas quanto as que vimos por conta propria. Ha males que vem para o bem! :)

Depois que passa fica mais facil, o segredo é aprender a rir na hora, Raquel! Acho que estamos aprendendo...

Mas foi maravilhoso, Ju! So não foi como pensavamos que seria. hehe

Você mora na Suiça, Thaisa? Por ai as paisagens são realmente maravilhosas, ainda mais no inverno, né? Mas eu não gosto muito das cidades, acho tudo meio parecido...

Beijocas em todos vocês!

Leonardo disse...

Amor,

Nossas viagens chegaram num ponto que se tudo der certo, perde parte da graça. Bom é a gente exercitar a improvisação, pois ela é indispensavel pra gente se divertir independente dos perrengues. E sem eles, qta coisa a gente não teria visto e quanta pessoas não teríamos conhecido nestas nossas aventuras.

Faltou agradecer o portuga, que apesar de não ter conseguido ajudar a tirar o carro da vala antes do Charles chegar, foi o unico que se propôs a tentar ajudar os dois brazucas presos na vala. :)

Que venham muitos e muitos perregues! Rs

Te amo

Kathleen Macedo disse...

Relato incrível!!!

Poxa, vocês estão acumulando várias histórias legais para contar para os filhos (e netos!).

O importante é manter o bom humor e passar por essas coisas juntos e felizes!

Unknown disse...

Se a @LuTesch não tivesse o "Perrengueiros", ia sugerir esse nome para a série de posts de viagens de vocês... hahaha.

Me divirto imaginando as cenas!

E que venham mais viagens (e perrengues) pra gente curtir com vocês. :)

Beijos.

Marcio disse...


Olha, eu moro na Suiça e posso dizer que vcs tiveram sorte pq perrengue mesmo, é colocar a corrente no pneu do carro. Ô trem difícil sô ;).

Abs,
Marcio

Anônimo disse...

Mi, o bom dá viajem é isso mesmo: planejar, planejar e ver que sai tudo de outro jeito!
Beijo, Fabi.

Mirelle Matias disse...

Um brinde aos portugas que sempre salvam as nossas vidas, amor!

Nesses casos so temos duas alternativas, Kathleen: ficar de mau humor e estragar o dia ou se virar nos 30 e achar uma solução para salvar o passeio. Confesso que antes eu ficava de bico, mas de que adianta? Agora, a gente se diverte com tudo e nos sentimos recompensados por isso. :)

Tendo o Léo como companheiro de viagem, a série estaria garantida, Diego! hahahaha! Meu marido é muito desajeitado, mas sem ele não teriamos tanta historia pra contar no blog!

Aqui em Lyon também neva um bocado, Marcio, e o Léo vive fugindo das correntes. E eu fico preocupada, claro.

hahahaha! Adorei, Fabi! Eh como dizem, né? A gente faz uns planos, Deus faz outros....

beijos!

Anônimo disse...

Oi Mirelle!! Sim, eu moro na Suiça, mas precisamente em Zürich. (Escrevi pra vc no Post anterior). Eu sou mto suspeita, pq adoro viver aqui (moro aqui há 3 anos). Não sei o que você já conhece, mas aqui tem cada cidade linda, olha que eu já conheço muitas cidades daqui e sempre qdo conheço algum lugarzinho novo, sempre fico encantada.
Bjos
Thaísa.

Nine disse...

Adoro teus relatos de viagem, desses que os planos saem um pouquinhos dos trilhos, hahah!!!
Vocês tem um super bom humor e conseguem tirar o melhor até dessas coisas chatinhas! E ainda transformam os fatos em diversão! Adoro!

Vocês, Mi e Léo (sem abusar da intimidade, claro) são nossa inspiração. Eu termino de ler um post e já encaminho pro maridão, pra ele se inspirar também!!! Ô coisa boa!

A gente fica super feliz e agradece por vocês compartilharem esses momentos!!!

Beijo grande!

Luciana Betenson disse...

Adorei Mi ;-) Quantas vezes tenho xiliques porque as coisas deram errado em uma viagem... o negócio é lembrar, mesmo, que é um privilégio estar ali, com quem a gente gosta, curtindo um passeio, uma experiência que será lembrada pra sempre. Fez-me pensar! Beijos,

Jackie e Rômulo disse...

hahaha tb ri imaginando se fosse comigo, a gente se olhando! Ah, essas coisas viram história e, estando em boa cia, qq programa vale, né. bjs!

Milena F. disse...

Que história, hein??? Eu já não sei conviver com esses imprevistos. Uma coisa é chover e ter que encontrar uma alternativa à praia, ou uma paralização dos transportes que nos obriga a encontrar um outro meio... Eu planejo muito e morro de medo que algo mais importante dê errado. Mas meu marido sai sempre de casa na ultima hora, e já aconteceu de chegarmos 5 minutos atrasados para pegar o trem... Sorte que o mesmo teve um atraso de 20! Ele tem sorte mesmo, pois caso contrário eu ficaria de mau-humor por uma semana!!! Admiro quem tem paciência e leveza para ligar com essas situações!

Anônimo disse...

Gostei do artigo! Como sempre um artigo curto que conta uma experiência de viagem e com boas fotos!
Luis
http://documentaromundo.wordpress.com

Mirelle Matias disse...

Acho as cidades lindas, mas muito parecidas e com pouca alma. Talvez eu precise me entregar mais à Suiça, Thaisa.

Feliz fico eu quando leio um comentario desses, Nine! Compartilhar é uma alegria! Obrigada por me ler. :)

Dou os meus xiliques tb, Lu, mas tento não deixar os imprevistos estragarem o passeio. Sou por natureza um pouco mal-humorada e muito, MUITO, brava! Mas é verdade que tenho mais facilidade de não deixar o mau-humor estragar uma viagem do que o dia a dia, justamente pelo que você falou, por ser um momento especial tão aguardado. Paciência é um exercicio e todos temos que praticar!

Isso, Jackie! Ao lado da pessoa certa, a diversão ja ta quase toda garantida! Imagina Paris com uma amiga mala ou um marido chato? Ui!

Como eu disse no texto, Milena: tem que saber lidar com os imprevistos se quiser cair na estrada. Eles acontecem em TODAS as viagens e nada, nada nesse munto é exatamente como a gente imagina! Abrir mão do roteiro super planejado pra dar espaço para os imprevistos pode render boas supresas viu? Falo com conhecimento de causa. Tente! :)

Obrigada, Luis!

Beijos em vocês, queridos!

Flor disse...

Mirelle super aventura mesmo! Amei seu relato e é bom ver que imprevistos acontecem com qualquer pessoa em qualquer viagem! E como vc muito sábia disse, é sempre melhor ver o copo meio cheio! Bjs e bom fim de semana!

Maitê Oliveira disse...

Que Gracinha de post...
Tenho que aprender a lição, quando as coisas dão errado não podemos nós emburrar que estraga o resto da viajem... difícil para mim, pessoa que faz tudo milimetricamente cronometrado, no estilo : 3 minutos para observar a paisagem,5 minutos para fazer xixi... e etc.

Muito legal as fotos e o post...

Obs: madeira só funciona em filmes e empurrar também é muito mais difícil do que parece... já atolei um carro.

Mr. Lemos disse...

Hahahaha! Muito bom, irmã! Já tava achando o trem demais... essa do carro foi foda! Mas ainda não entendi o que rolou com o trem... Vcs erraram só o horário? Não tinha outro do mesmo valor na sequência??? Conta mais!
bjoca

Vera disse...

Monotonia não é, sem dúvida, um adjectivo que vos caracterize. E ainda bem porque a vida já tem demasiadas coisas chatas! Espero poder rir-me convosco de todas essas histórias por muito tempo!

Carmem Silvia disse...

Lembra que eu disse um dia desses que queria viagem com aventuras? Então, era disso que eu estava falando.

Evelyn Sampaio disse...

É por isso que sou otimista quando falo em ser humano!
tem muita gente tosca, mas mesmo assim sempre tem algumas boas almas generosas nesse mundão! Tipo você que compartilha tanta coisa com a gente! as boas e as "javas"!!! ;)
um beijão, Mi!!

Mirelle Matias disse...

Obrigada, Flor! Boa semana pra ti!

Ufa! Achei que so a gente não tivesse conseguido usar a madeira para tirar o carro do buraco, Maitê! Tente diminuir o ritmo na proxima viagem, fazer um roteiro mais tranquilo para que vc possa aproveitar dos imprevistos tb!

Ah, irmão! Somos atrapalhados mas o site é bem ruinzinho. Te conto td por tel!

Também espero te ter por perto ouvindo e partilhando as nossas atrapalhadas por muito tempo, Vera! :)

O tipo de trapalhada que so traz coisas boas, né, Carmem? Te entendo! ;)

Vc ta andando muito comigo, Evelyn! Ja ta até usando as minhas girias, haha! Bom demais te ter por perto!

Beijocas!

Nina disse...

rsrs, o bom é levar os problemas no riso mesmo... dificil, mas se consegue. O trem era mesmo lindissimo. E a Suica tem paisagens mesmo fantasticas.
Agora, fiquei impressionada com o risco que vcs correram dirigindo um carro sem pneus pra neve, é mt perigoso!

Mas vcs moram em Lyon, nao é obrigatoria a troca qd chega o inverno? Aqui é.

Samara Brito disse...

Kkkk!!! Vcs engaram direitinho! No instagram só deu para ver as maravilhas! ADORO as histórias de vocês!

ilma disse...

Ri mutio com seu relato e lembrei de alguns perrengues meus em viagem. Verdade Mirelle, nenhuma viagem é redonda e que sempre aparece alguém (comigo tb sempre tem alguem) para ajudar.
Bom que voces, como eu, tem bom humor, senao aí que as coisas complicam mesmo.
Boa semana
Abços

Mirelle Matias disse...

Oi Nina! Não precisavamos de pneus de neve pq teoricamente não iamos dirigir na neve. A pista estava toda lisa, sem gelo em cima. O problema é que resolvemos entrar onde não deviamos, dai deu no que deu.

Não foi a intenção, Samara! heheheh

Eh a lei do retorno, né, Ilma? Eu acredito nela. Se vc faz algo de bom pra aguém durante uma viagem, o favor volta pra vc. Coisas pequenas, como entregar um ticket de metrô ainda valido quando vc esta indo pro aeroporto e nao vai usar mais, essas coisas. ;)

Beijocas!

Sandra disse...

Mirelle, muito legal o jogo de cintura de vocês!! Isso sim é sabedoria, sair de situações deste tipo com leveza e bom humor!! Só achei estranho te darem um carro no inverno sem pneus de neve :-(, pois aqui (moro na Suíça) a troca de pneus é obrigatória no inverno! Bom, enfim, já passou. Dá próxima vez, posso ajudar vocês na compra dos bilhetes, hahahahaha. Beijinhos!!!!

Anônimo disse...

Gente, adorei seu post!!!
Me identifiquei na hora... kkkk
Errei também na compra de uma passagem de trem de Praga para Viena... só reservei o assento, o ticket mesmo não comprei... kkkk no meio da viagem, vem o funcionário checo pedindo o bilhete... e ele falando "no ticket, only reservation"...e eu morrendo de medo de não ter como comprar na hora e eu ter que descer do trem no meio do nada na República Checa...rsrsr Ainda bem que agente tinha euros em dinheiro, porque não aceitavam cartão... aí pagamos as passagens...na hora agente passa aperto, mas depois serve pra dar boas risadas!!!
Abraços!!
Mariana Caixeta

Anônimo disse...

Mirelle!
Sou leitora do blog,que adoro por sinal. Não acredito que quase te encontrei, eu estava na Suíça no mesmo dia e indo para o mesmo lugar.... Que coincidência!
Mônica.

Patty Gasperini disse...

Também passei por perrengues na França e na Itália, mas por sorte tinhas uns "Charles" por lá também. Sempre tem uma alma boa disposta a ajudar, graças a Deus.
As fotos ficaram muito boas. O lugar parece incrível.
Bjs

Natalia Itabayana Junqueira de Mattos disse...

Não sou fã dos imprevistos, fico meio chateada e por vezes aborrecida no momento, mas aos poucos fui ficando mais flexivel neste quesito e hoje consigo levar muita coisa numa boa. Ainda bem que não existe viagem redonda, são justamente as curvinhas que nos proporcionam historias originais pra compartilhar.

Thiago Cesar Busarello disse...

Caramba! Dois perrengues em um mesmo dia, ninguém merece! Hehehe.. Que bom que no final deu tudo certo.

Portuguesinha disse...

POrreiraço, esse Charles!

Leia também:

Related Posts with Thumbnails