quarta-feira, 30 de julho de 2014

Gravidez na França - o segundo trimestre

Meu bebê ainda nem nasceu, mas eu ja descobri uma coisa sobre a maternidade: não existe consenso. Pelo contrario! O que não falta é gente jurando de pés juntos que tal comportamento é melhor para a criança, enquanto outros tantos garantem que é justamente o contrario que fara de você uma mãe exemplar. Por isso eu decidi passar longe dos foruns de maternidade e evito ler demais sobre o sono do bebê, o quarto do bebê, a comida do bebê.... Ja sou por natureza uma pessoa de convicções muito fortes e sei que educar uma criança segundo minhas certezas não vai ser tarefa facil, então, pra que adicionar novos elementos ao que ja se anuncia tão complicado?

Apesar disso, acredito que Léo e eu seremos pais muito tranquilos e que vamos sempre preferir o caminho da simplicidade quando o nosso bebê chegar. Uma das maiores provas disso foi termos esperado sem problemas até o sexto mês, quando começaram os soldes aqui na França, para montar o enxoval. Até então, não tinhamos comprado sequer uma meia - justo eu, que sempre pensei que quando me descobrisse gravida sairia torrando tudo no shopping.

Os soldes (queimas de estoque que acontecem duas vezes por ano) casaram perfeitamente com o momento mais emocionante da gravidez até agora: a descoberta do sexo do bebê. Sei que no Brasil essa noticia pode chegar ja no primeiro trimestre, mas aqui na França o mais comum é confirmar no ultrassom do 5° mês. Tão logo descobrimos que é uma menina, tão logo percebi como sera dificil fugir do rosa. Felizmente, temos encontrado peças lindas no maravilhoso mundo azul dos meninos!


Minha falta de interesse pelo rosa vai além da cor em si. Acho que entupir meninas de rosa é tão representativo quanto furar a orelha delas - habito pouco comum na França, que também gera questionamentos em mim. Estas são, na minha maneira de pensar, formas de gritar ao mundo desde o momento da sua chegada que aquele bebê é do sexo feminino (e eu não vejo qual o interesse em deixar isso claro para estranhos). Se amigos e parentes sabem que é uma menina, qual a necessidade de limitar o seu universo de cores e comportamentos desde o nascimento? Não pretendemos fazer isso em nenhum outro momento da vida da nossa filha (ela jamais vai ouvir dentro de casa a frase: "não pode, isso é coisa de menino"), portanto não sera na sua chegada que vamos começar.

Não estou dizendo que minha pequena não vai usar rosa, mas que esta sera apenas mais uma cor no seu guarda-roupas. Dos 10 bodies que compramos para o primeiro mês, por exemplo, dois são rosa. Acho que esta de bom tamanho. Quero que ela transite pelo mundo do amarelo, do azul, do cinza e do vermelho, antes de chegar na idade de querer usar apenas rosa porque as coleguinhas da escola so conhecem esta cor. O mesmo vai acontecer com os brinquedos. Carrinhos e bonecas dividirão o mesmo espaço.


Além de preparar o enxoval, outra preocupação que tivemos neste segundo trimestre foi escolher o nome da nossa filha. Se no nosso pais de origem este ja é um grande desafio, imagine como é dificil encontrar um nome que funcione em português, em francês e também em inglês (afinal, não temos planos de ficar na França pro resto da vida). Alguns se parecem na escrita, mas têm pronuncias completamente diferentes. Outros são lindos em francês, mas não funcionam em português.

Depois de muita reflexão, encontramos: Alice.

Uma das poucas personagens de historias infantis que fogem da narrativa da princesa à espera de um principe para salva-la. A Alice, do romance de 1865, é uma garota suficientemente inteligente para resolver enigmas e, ao mesmo tempo, curiosa e corajosa para embarcar em aventuras atras de experiências que farão dela uma pessoa melhor. Ela questiona os valores ultrapassados da sociedade em que vive, usando um vestido azul. Sem falar que nossa Alice realmente vai morar num pais maravilhoso, então acho que acertamos na escolha.

Ja estamos tão focados nela, que o tempo parece se arrastar. Não entendo quem me diz que esta é uma fase maravilhosa. Pra mim parece que não vai terminar nunca, que estou gravida ha 1 ano! A Alice mexe cada vez mais, mas eu continuo tendo uma gravidez tranquila, sem sustos nem dores. Sabemos que neste ultimo trimestre tudo pode mudar, por isso decidimos nos despedir da nossa vida a dois com uma babymoon para a Sardenha (proximo post). Para nos, que adoramos viajar, foi a oportunidade que precisavamos para descansar e nos preparar para a chegada da terceira tripulante.

23 comentários:

Adriane Jungues disse...

Ola Mirelle,

Parabens pelo baby! Escolhemos o nome da nossa filha Alice pelos mesmos motivos de ser facilmente pronunciavel nas 3 linguas, jah que moramos no Canada, alem de ser um nome lindinho demais, ne?!
Se quiser conhecer nossa Alice :), nosso blog eh www.likeanewhome.com

Bisou!
Adri

Kity disse...

Oh gente, que coisa mais linda!
Amei a escolha e fico cada vez mais encantada pela França e por vocês.
Ótimo terem feito uma viagem, para despedir da vida a dois.
Amei as roupinhas, muito bom gosto. E concordo com você, tem que deixar a criança se identificar, e não forçar uma opinião.
A certeza que sei, é que Alice será muito feliz!
Passa a senha do blog para o Leo, pq assim q Alice vier ao mundo, seria de bom grado, avisar aos tios e tias emprestados hihihi
Que Deus continue te iluminando, iluminando o Leo e a essa coisa linda sendo gerada em sua barriga!
Que venha a Alice! <3

Camila Navarro disse...

Sabe que Alce é o nome que desde adolescente eu dizia a mim mesma que daria a uma possível filha? Agora já não sei, mas não preciso nem dizer que adoro, né? Quanto ao rosa e aos brinquedos, concordo muito com você! Sei que não deve ser fácil criar um filho sem limitá-lo ao que a sociedade impõe (para muitos vestir uma menina de azul é um verdadeiro sacrilégio! menino de rosa? pode internar!), mas tenho certeza de que você e Leo irão se sair bem nessa empreitada.

Mirelle Matias disse...

Oi Adriane, parabéns pela sua Alice, vou ja fuçar no seu blog. :)

hahaha! Que querida você, Kity! Não tenha duvidas que a Alice nascendo a informação vai pipocar em algum lugar (provavelmente no Instagram do pai). :)

Alice nunca tinha passado pela minha cabeça, Camila. Mas agora parece tão obvio e tão certeiro. O melhor é que a escrita e a pronuncia em francês e português são idênticas, então fica bem mais facil! (fugi de nomes com R e U porque em francês são as letras que mais tenho dificuldade de pronunciar). E sobre as cores, meu filho (quando ele vier) super vai brincar de cozinha e bonecas! Acho que choca ainda mais que menina brincar de carrinho, mas, pensando bem, so choca quem é quadrado demais, não é mesmo? rs

beijos, meninas!

Patty Gasperini disse...

Adorei o post e tenho o mesmo pensamento quanto meninos usarem rosa, brincar de boneca, quanto o contrário, afinal, criança não tem peconceito, e para que nós, pais (ou futuros papais, como meu caso) precisamos ensinar?! A sociedade já se encarregará de fazer isso.
O jeito é educa-los da maneira mais simples, como disse.
E que venha Alice!!! Cheia de todas as cores, brinquedos, desejos e saúde ;)

Diego Paiva disse...

Oi, Mi!

Toda vez que vejo as suas publicações sobre a gravidez, lembro das nossas conversas em janeiro. Algumas delas foi justamente sobre essa questão do livre arbítrio (mesmo) que o filho de vocês teria, quando ele viesse.

Logo que fui embora, você descobriu que a Alice estava a caminho. <3 Não faz ideia do quanto vibrei e fiquei feliz por vocês, principalmente por ter visto a vontade e o quanto estavam preparados para esse momento da vida - acho que já te falei isso, rs.

Morri de rir lendo o seu post e lembrando da Lu Tesch, falando das Talimães dos fóruns do Facebook. hahaha

Sobre os brinquedos, sei exatamente o que levarei para a Alice quando for para Lyon ano que vem! Será para quando ela estiver maior, mas tenho certeza que vai adorar brincar com ele. :D

Espero poder acompanhar - de perto - alguns dos momentos especiais dela. Se tudo correr conforme o planejado, pode me incluir na preparação dos brigadeiros da festinha de 1 ano! hahaha

Beijão!

Karla disse...

Que linda! Parabéns pela menininha!
Aqui na Alemanha descobri o sexo na 20a semana, enquanto amigas no Brasil no segundo mes de gravidez já faziam uma tal de "sexagem fetal". Pra falar a verdade eu adoro como as coisas aqui sao tao mais naturais, eu me dou super bem com esse estilo de vida. Agora, na 33a semana, to mergulhada nas aulas de yoga pra me preparar pro parto.
Que sua gravidez continue tranquila. Tudo de bom pra vcs!

Mirelle Matias disse...

Isso mesmo, Patty! A ideia é aproveitar que criança quando nasce é como um papel em branco, sem valores pré-concebidos, pra deixa-la experimentar todos os universos antes dela propria sentir qual vai ser o seu.

ei, Diego! Que coisa mais boa ver vc levando a sério os projetos de morar fora e incluindo Lyon nessa aventura! Vai ser uma delicia ter um tio por perto pra cuidar da Alice quando Léo e eu quisermos ir ao cinema, rs.

Eu também me dei muito bem com esse jeito tranquilo dos franceses de lidar com a gestação, Karla. Esperamos os soldes para montar o enxoval (e conseguimos descontos de 30, 50 e até 70% em tudo), aceitamos varias roupinhas dos filhos de um casal de amigos, e até o bercinho onde a Alice vai dormir nos primeiros meses foi doação. Tão mais simples, né? Parabéns pelo bebê, que venha trazendo muitas alegrias pra sua familia.

Beijos!

Jordana Arend disse...

Você já está dando um ótimo presente pra ela: a facilidade de dizer o próprio nome e todo mundo saber escrever. Eu tb me preocupei muito com isso, por escolhi Laura e Marina pras minhas.
Concordo plenamente em manter as coisas simples, tá cheio de coisa a venda pra bebês que não são necessárias - você vai dar muita risada quando ela preferir brincar com os potes plásticos da cozinha ao invés de um brinquedo caro.
Boa hora pra você e abraços pro Leo!

Tiago dos Reis disse...

Você não faz ideia de como é difícil fugir da imposição do rosa nas roupas e brinquedos de menina aqui no Brasil! Até hoje a gente acaba "importando" roupinhas de fora para a Maria para variar um pouquinho nas cores. Caso contrário, só nos restaria rosa, frufrus e paetês. =)

Quanto à falta de consenso na criação dos filhos, uma coisa é certa: existe gente demais dizendo pra gente fazer isso pro bebê dormir melhor, pro bebê não ficar mimado, pro bebê ser independente e tal. E existe gente de menos dizendo pra gente seguir o nosso coração e amar muito o nosso bebê. Então é isso, Mi: siga o que o seu coração disser.

Abs nos 3

Lilith disse...

Amei ler o texto...é uma delícia ler as palavras que você escreve...parabéns pelo blog e Parabéns pela Alice, que ela venha com muita saúde e traga imensas felicidades...bjão!

Hismênia disse...

Adorei o texto e tudo o que disse.
Mi, o nome da Alice é uma síntese de tudo o que você acredita e defende, acredito que vai além da pronúncia nos países...Tem um significado muito maior. ;)

Ah, claro, adorei também o gosto pelas roupas. Fico vendo aqui no Brasil, tanto rosa, tanto azul...existem tantas outras, né? Outros estilos e que fogem dessa "papagaiada" que tem aqui..Uma pena. Bom, no mais, que os próximos meses passem voando que eu quero ver essa menina logo!! rs Beijos pra vocês três!! ;)

Anônimo disse...

Parabéns pela sua Alice! que além de ser um lindo nome e funcionar para as três línguas ainda remete a um dos meus personagens favoritos como você disse e so para relembrar que a Alice no Pais das Maravilhas usa vestido azul! =D

Ah, a proposito...qual ou quais nomes você escolheria se fosse um menino? seguindo na mesma logica dos três idiomas?

Mariana disse...

Oi Mirelle, desde que meu marido e eu decidimos nossa mudança para Lyon com nossa filha (Beatriz, 10 meses hoje), tenho acompanhado seu blog. Muito bacana ver você dividir seu dia a dia de maneira tão sensível, adoro! :) Vamos nos mudar em 2015 e estarei aqui, de olho nos posts! Parabéns pela baby Alice!

Mirelle Matias disse...

Obrigada, Jordana! :)

Ah, Tiago, que lindo! A maneira como vc e sua esposa criam a Maria é um grande exemplo pra mim e pro Leo. Que bom poder ter vcs pra trocar figurinhas virtuais! :)

Obrigada, Lilith!

Isso mesmo, tia Hismênia! Tomara que os meses passem logo pra ela ter a sorte de poder receber o amor de pessoas queridas, como você!

Seguindo a logica, anônimo, seria Nicolas. Mas ainda não estava definido, ficavamos em duvida por causa do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy (em uma casa com pais de esquerda seria estranho essa "homenagem" a um presidente de direita).

Obrigada, Mariana! Lyon é linda, vocês vão adorar! Espero que ela seja tão acolhedora pra você e sua familia como foi pra mim. Beijos!

Leonardo disse...

Amor,
Ja tenho muito orgulho da mãe que você vai ser, pois sei o quanto será importante (e libertador) pra nossa Alice ter um exemplo de pessoa como vc em casa.
Tb to ansioso pela sua chegada, pra Alice vir sentir "aqui de fora" todo o amor que ja temos por ela.
Bjim

Nathalia disse...

Que delícia, uma menininha! Mais uma vez, você consegue expressar tão bem algumas coisas que também acredito e que aqui no Brasil são tão fortes, como essa questão das cores. Lindo texto!

Tatyana disse...

Mirelle,

Adorei seu post =)
Como jå comentei anteriormente aqui no seu blog, também estou grávida, também espero uma menininha, que se chamará Maria Alice e também queria fugir um pouco do mundo cor de rosa. Escolhemos as cores verde e branco para o enxoval do berço e demais itens, mas para as roupinhas foi mais difícil escapar do "padrão".
Agora o que me chamou atenção durante minha gravidez, foi a pressão que os pais sofrem, aqui no Brasil, para consumir tudo o que se vê pela frente, é uma infinidade de coisas. Viagem aos USA pra comprar o enxoval; Book gestante e Book New Born; Chá de fraldas, quarto decorado do neném, etc...etc... E se esquecem de que um recém-nascido não precisa de tudo isso. Temos sim que ter muito amor, amamentar e cuidar da nossa cria.
Ah! e um capítulo a parte é o pré-natal e o parto (foi o que mais me interessei). Eu tive a oportunidade de ter um obstetra adepto do parto humanizado, trabalha em conjunto com uma doula e com a graça de Deus tudo correrá bem, estou pertinho de ter minha pequena nos braços, estou de 38 semana =)

Tudo de bom pra vc, que sua gestação continue tranquila e que vc continue aproveitando cada minutinho desse momento tão perfeito.

Bis

Carmem Silvia disse...

Que venha a Alice!

Angela QFC e Sudres disse...

Nossa que bacana saber como funciona o "estar grávida" na França. Tive a Chloé no Brasil e vim morar na frança com o marido em Junho. Pelo menos não vou achar tão estranho a gravidez do segundo baby. 😄 Pelo menos com relação à Pediatra eu gostei tanto quanto a do Brasil. Felicidades com a Alice e muita saúde para vocês 3!
Abraços

Cartas-Para-Julieta disse...

Nossa que felicidade de ver que você ta gravida. Rsrsr te acompanho a muito tempo e é engraçado ver como você evoluiu como pessoa. Amei muito ver esse post, lembro quando você disse que era feminista e eu pensei que bom todo mundo tem que pensar desse jeito. Espero que você continue o blog saiba você me motiva muito, um dia eu quero morar na França e ver que você conseguiu me dar mais forças. parabéns a você e a sua família.

Juliana Senna disse...

Encontrei seu blog hoje e já estou amando neste post, hahaha.
Alice é um nome maravilhoso!
Também me sinto incomodada com a profusão de rosas/azuis que são determinados para os bebês, no Brasil acho que é mais difícil ainda tentar ser simples na criação dos filhos (não tenho ainda, só observo).

Enfim, estou em processo de mudança para a França com meu marido, vou continuar acompanhando aqui. :)

Bjs!

Raquel M.B.G. disse...

Oi Mirelle, tudo bem? Parabéns pela baby! Eu sou parecida com vc nesse sentido. Minha baby Rebeca (1 ano e meio) não usa SÓ rosa. Também optamos sempre pelo caminho do mais simples e do que nosso coração manda. Te convido a visitar meu blog, que estava "de licença", junto comigo, mas retornamos à ativa! abs Raquel

Leia também:

Related Posts with Thumbnails